COMO CALCULAR O TEMPO ESPECIAL PARA A APOSENTADORIA?

Saber calcular o tempo especial para a aposentadoria é importante para saber a melhor hora de se aposentar. É preciso calcular o tempo...
Compartilhe

Saber calcular o tempo especial para a aposentadoria é importante para saber a melhor hora de se aposentar.

É preciso calcular o tempo especial (período com trabalho insalubre ou perigoso) para fins de aposentadoria. Desse modo, pode-se conseguir se aposentar no melhor momento. Aposentar muito precocemente, pode não garantir a melhor aposentaria. Demorar muito para aposentar, pode fazer com que, por meses ou até anos, deixe-se de receber uma renda mensal.

Não menos importante é saber que, com a Reforma da Previdência que aconteceu em 13/11/2019, houve inúmeras alterações das quais criam obstáculos em alcançar a aposentadoria no momento em que você já estava se planejando.

Diante disso, até 13/11/2019 é possível fazer a transformação do tempo especial em comum. Após essa data, não mais.

(o texto continua após a imagem)

Calcular o tempo especial

Calcular o tempo especial

Antes de tudo, merece ser esclarecido que a contagem especial do tempo garante uma aposentadoria antecipada.

Primeiramente, o trabalhador que atingiu o tempo especial de 25 anos possui o direito de se aposentar especial. Para saber mais, acesse o nosso texto Aposentar Antes dos 50 Anos de Idade é Viável?

No entanto, é muito frequente o caso do trabalhador que não permaneceu por 25 anos em atividade especial. Todavia, neste caso, o tempo trabalhado com exposição a agentes insalubres ou perigosos não foi perdido.

Apesar de não ter atingido os 25 anos de trabalho especial, é possível fazer a conversão do tempo e calcular o tempo especial na aposentadoria.

Para cada ano trabalhado em condições especiais, o INSS acrescenta um período adicional. No caso dos homens, este período é de 40% a mais. De outro lado, no caso das mulheres, este adicional é de 20%.

Caso um homem não tenha trabalhado exposto a condições especiais por 25 anos, o INSS faz uma conversão de tempo. Em relação ao período trabalhado com exposição a tensão superior a 250 Volts, há o cômputo de mais 40% do tempo.

Como já explicamos acima, esse aumento no tempo com a eletricidade somente acontecerá até 13/11/2019, e somente na Justiça.

Exemplificando…

Exemplo: um trabalhador que ficou exposto a tensão superior a 250 Volts por 15 anos (com a conversão de mais 40%) será computado o período de mais 6 anos, ou seja, 21 anos. Tendo trabalhado mais 14 anos em atividades sem exposição a riscos, poderá se aposentar (21 anos + 14 anos = 35 anos), mesmo tendo trabalhado, por 29 anos (15 anos + 14 anos).

Deste modo, neste exemplo, o trabalhador conseguiu se aposentar 6 anos antes.

Do mesmo modo ocorre com as mulheres, salvo quanto ao adicional de conversão, que ao invés de 40% é de 20%. Entretanto, para a mulher basta atingir 30 anos de contribuição, enquanto para o homem é necessário completar 35 anos.

 

ATUALIZAÇÃO: NÃO SE ESQUEÇA, que com a Reforma da Previdência Social isso mudou um pouco. Ficou curoso para saber mais a respeito, clica nesse texto:

TEMPO ESPECIAL PARA APOSENTADORIA COMUM TEM NOVA FORMA DE CÁLCULO: 3 SITUAÇÕES IMPORTANTES

Para a devida contagem, é importante a Carteira de Trabalho e o PPP (Perfil Profissiográfico Previdenciário). Também é importante providenciar o CNIS através do site www.meuinss.gov.br .

COMO CALCULAR O TEMPO ESPECIAL PARA A APOSENTADORIA? - Aposentadoria Especial

Leiam esse texto:

COMO GANHAR MAIS TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO NO INSS USANDO A INSALUBRIDADE OU PERICULOSIDADE

 

Fizemos um texto muito interessante que você precisa ler:

APOSENTADORIA ESPECIAL COM A ELETRICIDADE PODE ESTAR COM OS DIAS CONTADOS

Para saber mais sobre a Aposentadoria Especial e o tempo trabalhado com periculosidade e insalubridade, clique na imagem abaixo:

COMO CALCULAR O TEMPO ESPECIAL PARA A APOSENTADORIA? - Aposentadoria Especial

#40daaposentadoria #AposentadoriaEspecial #calcularotempoespecial

Compartilhe
Denis Coltro
Denis Coltro

Advogado Previdenciário desde 2014, inscrito na OAB/SP 342.968. Formado pela UNIFUNEC (Santa Fé do Sul/SP).

Artigos: 226