Compartilhar nas Redes Sociais

No caso de aposentadoria negada, surge a dúvida se vale a pena entrar na Justiça. Em muitos casos, sim!

Com a aposentadoria negada pelo INSS, frequentemente há o questionamento sobre o que fazer: acatar a decisão do INSS, entrar na Justiça ou dar nova entrada no pedido de aposentadoria.

A resposta não é tão simples. A sua aposentadoria negada depende de uma análise criteriosa do seu caso.

Primeiramente, deve-se esclarecer se o seu caso se trata de auxílio doença negado, recomendamos a leitura do texto AUXÍLIO DOENÇA CORTADO? O QUE FAZER?

Neste texto vamos tratar da negativa de aposentadorias.

O que ocorre é que quando o INSS analisa um caso de aposentadoria, ele está vinculado às suas regras internas. Ou seja, a interpretação da legislação é feita de modo extremamente rigoroso. Por isso a aposentadoria acaba sendo indeferida.

Assim, o que vamos concluir ao final é que você NUNCA deve se conformar com a sua aposentadoria negada sem antes analisar o seu caso, inclusive com o auxílio de um advogado especialista na área, se acaso for necessário.

Mas quando o INSS interpreta de um jeito e a Justiça de outro?

São muitos os casos em que o INSS tem um entendimento que acarreta uma aposentadoria negada e, de outro lado, a Justiça entende que há direito ao benefício.

Só para exemplificar, a seguir temos alguns casos comuns de quando o INSS pensa diferente da Justiça.

Primeiro exemplo: aposentadorias rurais

Primeiramente, nas aposentadorias com trabalho rural possuem alto grau de exigência de documentos e provas pelo INSS. Em outras palavras, isso dificulta em muito a concessão do benefício e esse é um caso para se ter uma aposentadoria negada.

Segundo exemplo: aposentadoria especial para trabalhadores expostos a eletricidade acima de 250 Volts

Em primeiro lugar, se você tiver dúvidas se você tem direito à aposentadoria especial, recomendamos a leitura do nosso texto: APOSENTADORIA ESPECIAL: DESCUBRA SE VOCÊ TEM DIREITO

Em seguida, em relação à aposentadoria especial, a interpretação que o INSS dá à Lei é muito diversa do que entende a Justiça. Por exemplo, temos o caso dos trabalhadores que ficam exposto à eletricidade superior a 250 Volts.

(o texto continua após a imagem)

consulta

Frequentemente o INSS somente reconhece que o trabalho com eletricidade é especial até o ano de 1997. Ou seja, para períodos posteriores, não há direito ao reconhecimento de tempo especial.

Por outro lado, a Justiça reconhece que tem direito ao tempo especial todos os trabalhadores expostos a eletricidade acima de 250 Volts, pouco importando o período.

Nesse sentido, caso o reconhecimento de tempo especial alcance 25 anos, passa-se a ter o direito à aposentadoria especial. No entanto, se os 25 anos especiais não forem alcançados, o tempo especial trabalhado pode ser convertido com adicional de mais 40% (para homens) e 20% (para as mulheres).

Por exemplo, um homem que trabalhou de 1997 até 2017 com eletricidade acima de 250 Volts vai ter reconhecido 20 anos de trabalho pelo INSS em relação a este período. No entanto, na Justiça, esse período de 20 anos vai ser aumentado para 28 anos (mais 40%). Em seguida, se esse período de 28 anos for somado a tempos trabalhados anteriormente a 1997 (ao menos mais 7 anos), totalizará 35 anos e esse trabalhador já terá direito a aposentadoria em 2017.

De outro lado, no exemplo acima, se acaso nos conformarmos com o entendimento do INSS, esse trabalhador deverá trabalhar mais 8 anos para se aposentar.

Terceiro exemplo: aposentadoria especial para trabalhadores expostos a ruídos e que tenham utilizado protetor auricular

Além disso, também temos o exemplo dos trabalhadores expostos ao ruído. Atualmente, a legislação determina que quem trabalha com exposição a ruído acima de 85 decibéis tem direito à contagem especial. No entanto, quando o trabalhador está exposto a ruído acima de 85 decibéis e recebia protetor auricular suficiente a reduzir o nível de ruído, este trabalhador tem a sua aposentadoria negada pelo INSS.

Só para exemplificar, o caso de um trabalhador que tem exposição a ruído de 90 decibéis (portanto, em nível superior ao limite determinado pela legislação). Se acaso ele recebe um protetor auricular que reduz os efeitos do ruído em 15 decibéis (o que torna a exposição efetiva de 75 decibéis no sistema auditivo do trabalhador), a aposentadoria será indeferida pelo INSS. Mas o entendimento da Justiça é diferente.

Em que pese o INSS negar essa aposentadoria, a Justiça não concorda que seja essa aposentadoria negada. Ou seja, o INSS nega. De outro lado, a Justiça reconhece o direito à aposentadoria. De acordo com uma visão mais atual e humana, a Justiça tem reconhecido que um protetor auricular não é suficiente para proteger totalmente o trabalhador.

A medicina já reconheceu que o ruído, além de afetar o sistema auditivo, também prejudica, por exemplo, o sistema nervoso. E, obviamente, o sistema nervoso não é protegido por um protetor auricular.

Assim, a Justiça tem reconhecido o tempo especial em favor dos trabalhadores que são expostos a ruído acima de 85 decibéis, mesmo com a utilização de protetor auricular.

Quarto exemplo: trabalhadores sem registro na Carteira de Trabalho

Não só nesses casos há divergências entre o INSS e a Justiça, mas também no caso de quem trabalhou sem registro. Essas pessoas encontram muita dificuldade de reconhecer esse período trabalhado e computa-lo na sua contagem de tempo no INSS. Mas, judicialmente, é possível reconhecer esse tempo de trabalho (seja tempo simples ou especial) e, com isso, alcançar o direito a aposentadoria.

E há outros exemplos?

Além disso há outras situações. Há muitas outras situações em que há divergências entre INSS e a Justiça. Você sempre deve estar atento se, ao ter a aposentadoria negada pelo INSS, não há outra saída. Portanto, os exemplos são inúmeros.

Por isso é que, sempre que tiver uma aposentadoria negada, um advogado especialista deve ser consultado para verificar se há alguma opção.

E a Reforma da Previdência?

E essa situação ganha importância na atualidade, quando estamos em época de Reforma da Previdência.

Como sabe-se, a Reforma da Previdência tem o objetivo de reduzir os gastos do Governo. Para isso, o caminho a ser adotado é dificultar o acesso às aposentadorias.

Portanto, e principalmente para quem conseguir comprovar que atingiu o direito a aposentadoria integral antes Reforma da Previdência, é muito importante lutar contra uma situação de aposentadoria negada.

Reconhecer que você tem direito a aposentadoria antes da Reforma da Previdência pode te garantir o direito às regras antigas (anteriores à Reforma). Se acaso você não comprovar que tinha direito antes da Reforma, vai ficar sujeito às novas regras que, muito provavelmente serão muito prejudiciais.

Portanto, buscar verificar se você tem direito a uma aposentadoria mais vantajosa antes da Reforma Previdenciária é um caso de urgência.

(o texto continua abaixo do vídeo)

Concluindo… O que devo fazer se tiver a aposentadoria negada?

Em primeiro lugar, nunca se conforme com uma aposentadoria negada pelo INSS. Busque informações e as razões pelas quais a sua aposentadoria foi negada.

Em segundo lugar, procure verificar se você tem direito a uma aposentadoria antes da Reforma da Previdência. Essa análise deve ser muito criteriosa. Uma aposentadoria muito antecipada pode lhe trazer prejuízos. Mas também esperar pode fazer você ser engolido pela Reforma da Previdência.

Em terceiro lugar, quando você tiver a sua aposentadoria negada e não tiver segurança total da sua situação, busque o auxílio de um advogado especialista em causas contra o INSS. Sem dúvida ele poderá te orientar o melhor a ser feito: ingressar na Justiça, acatar a decisão do INSS ou dar nova entrada no seu pedido de aposentadoria.

Além disso, também procure um advogado para verificar o que deve ser feito em relação à sua situação relativa às novas regras da Reforma da Previdência. Verifique se acaso deve aguardar a Reforma chegar ou então lutar para garantir o seu direito nas condições anteriores. Cada caso é um caso e não há uma regra geral.

Se tiver dúvidas relativas ao seu caso, clique na imagem abaixo para te ajudarmos!

consulta
Inscreva-se no nosso canal do Youtube para saber mais sobre os seus direitos
APOSENTADORIA NEGADA PELO INSS: VALE A PENA ENTRAR NA JUSTIÇA?

11 ideias sobre “APOSENTADORIA NEGADA PELO INSS: VALE A PENA ENTRAR NA JUSTIÇA?

  • Avatar
    27 de junho de 2019 em 18:47
    Permalink

    Boa noite!
    Trabalho na aérea de Segurança armado, inclusive a empresa informa no CNIS que o IEAN, tenho 22 anos e 04 meses de especial e 5 anos em outras empresas comum, dei entrada por telefone no INSS, caso , tenho 48 anos, transformando a especial em comum já passa dos 35 anos, caso o INSS não conceda o Benefício poderei entrar com um advogado, e se mudar as regras o fato de ter entrado antes da nova lei , me garante que posso entrar?
    Cordialmente!
    Davi Dantas dos Anjos

    Resposta
    • Denis Coltro
      17 de fevereiro de 2020 em 15:48
      Permalink

      Olá Sr. David, tudo bem?

      Sim, poderá ingressar com um advogado, seja na via administrativa seja na via judicial.

      Sempre faça a análise com um profissional especializado.

      O INSS converterá a especialidade até a promulgação da EC 103/2019, ou seja, até 13/11/2019. Após isso, somente se aposentará pela especial, não podendo haver mais a conversão para tempo comum.

      Espero ter ajudado.

      Resposta
  • Avatar
    21 de julho de 2019 em 15:38
    Permalink

    Boa tarde,Adv. Lucas Tubino! Sou Motorista Profissional Categoria D,moro no RJ vi seu vídeo e seus posts sobre o assunto, tenho 18 anos de contribuição de carteira assinada como Motorista, trabalhei com carga de medicamentos que é de risco,com caminhão refrigerado no baú, e à última em empresa de materiais de construção, onde batia carga,com produtos insalubres como cimento, argamassa etc.. mas nunca recebi dessas empresas isalubridade,periculosidade ou penosidade…eu teria direito à aposentadoria especial? Poderia me dar um feedback à respeito, grato desde já.

    Resposta
  • Avatar
    19 de setembro de 2019 em 18:15
    Permalink

    Olá!
    Meu pedido foi negado, as empresas que trabalhei as duas primeiras nao aparece no CNIS, tenho registro em carteira, pela minhas contas tinha 168 m , paguei 12m de guia , carnê, como facultativa, os 11% do salario minimo, para completar. Meu INSS, qdo entrei está que posso recorrer em 09/10/19, mas tenho duvidas, prefiro fazer nova entrada, pq no 135 me falaram q tem um novo requrimento q atualiza a CNIS

    Resposta
    • Denis Coltro
      17 de fevereiro de 2020 em 15:44
      Permalink

      Olá Sra. Elisabete!

      Pode ser que seja melhor dar uma nova entrada.

      Mas é sempre bom analisar se no seu primeiro requerimento estava presente todos os requisitos para o benefício.

      Procure ajuda nesse sentido.

      Um abraço.

      Resposta
  • Avatar
    11 de dezembro de 2019 em 18:14
    Permalink

    Boa tarde!! Trabalho na enfermagem de 1994 ate hj.Enttei com pedido de aposentadoria por tempo de contribuição e foi negado.O q e melhor fazer? Entrar na justiça ou pedir aposentadoria por idade,tenho 60 anos.Obrigada Marisa.

    Resposta
    • Denis Coltro
      17 de fevereiro de 2020 em 15:40
      Permalink

      Olá Marisa, será necessário ingressar na Justiça.

      Mas antes é interessante fazer uma análise do tempo de contribuição.

      Um abraço.

      Resposta
  • Avatar
    16 de fevereiro de 2020 em 08:07
    Permalink

    Eu tenho 21 e 7 meses de serviços insalubre com a comprovação do perito e do laudo medico da perícia e mais 5 anos e meio em outra empresa e tenho o PPP sobre o ruído que deu acima de 85 dcb mesmo assim o meu pedido de aposentadoria foi indeferido o INSS alegou que eu ainda não tinha tempo suficiente pra aposentadoria por tempo de contribuições que só dava 31 anos 21 e 7 meses foi de insalubridade de grau máximo 40 %

    Resposta
    • Avatar
      18 de fevereiro de 2020 em 17:54
      Permalink

      Tive meu pedido de aposentadoria
      por idade urbana negado
      Tenho 173 meses de contribuições de 1983 a 1997 sendo nesse meio tem auxílio doença de 9 meses , e tenho outros meses de contribuicoes de outras Empresas que trabalhei que somados completam 188 contribuições.
      O INSS indeferiu mas não explica o porquê. Estou sem saber como agir.
      Será que só um advogado especialista em direito previdenciario pode me ajudar e onde posso encontra? O INSS deveria nos orientar pra saber o porquê não concedeu.
      Falta período de carência.
      Só fala isso mas não explica , no que não considerou o período de carência

      Resposta
      • Denis Coltro
        19 de fevereiro de 2020 em 13:24
        Permalink

        Olá Sr. Edvaldo!

        Nesse caso, sugiro que agende a cópia do seu processo administrativo, que é a partir dele que terá condição de ver o que foi considerado como carência, e após, fazer o recurso administrativo.

        Espero ter ajudado.

        Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *